CONSTRUINDO VERDE | Espaços Urbanos Públicos: estratégias e elementos


organização: Gabriela Cuentro

 Como terceiro tema da série Construindo Verde, hoje iremos abordar os Espaços Urbanos Públicos, com base no material “Vamos construir verde? -  Guia Prático para edificações, espaços públicos e canteiros sustentáveis no Brasil”, elaborado pelo Banco de Desenvolvimento Interamericano.  Nesse artigo, traremos algumas estratégicas e elementos que exploram o caráter sustentável nos espaços públicos, com vista a diminuir os impactos negativos causados pela construção civil à natureza.

  1. PROJETOS DE ESPAÇOS URBANOS

Do ponto de vista urbanístico, toda cidade tem necessidade de espaços abertos públicos, como forma de trazer qualidade de vida aos seus habitantes, pelo simples fato de que esses locais proporcionam a realização de atividades que promovem o bem estar a população, sejam elas atividades físicas, de lazer ou encontros. Além disso, espaços públicos e verdes também tem a função de atenuar a poluição sonora, reduzir as consequências climáticas das chamadas “ilhas de calor”, melhorar a qualidade do ar, mitigar efeitos de gases de efeito estuda, diminuir a infiltração da água, diminuindo o escoamento e limitando riscos de inundações. Assim como as edificações verdes, os espaços públicos também podem ser locais de implementação de tecnologias e uso de materiais ambientalmente mais sustentáveis. Um exemplo concreto de espaço público sustentável é o Parque Madureira, no Rio de Janeiro.

  1. CIDADE-ESPONJA

Também conhecidas como sistemas de drenagem urbana sustentáveis, as cidades-esponjas podem ser definidas como locais onde as estratégias sustentáveis estão voltadas para aproveitar e absorver a água da chuva onde ela cai, ao invés de sofrer as consequências negativas (inundações, alagamentos e enxurradas) trazidas pelas infraestruturas cinza, como edifícios, pavimentação de ruas entre outros.  Algumas dessas estratégias ou infraestruturas verdes são: “pavimentos drenantes, coberturas, fachadas e muros vegetados, jardins de chuva, agricultura urbana, poços de infiltração e retenção, e parques lineares. Esses elementos podem ser dispostos em edificações, bairros, ruas, parques, ou até mesmo entre duas cidades.”

  1. OUTROS ESPAÇOS PÚBLICOS

Além das infraestruturas que podem ser adotadas em edificações, bairros, ruas, parques, existem estruturas e intervenções urbanas que também favorecem o caráter sustentável às cidades. São elas os parkltes e as ciclovias.

Parklets

Consiste em um espaço público adaptado em uma área antes ocupada por um veículo. Possui normalmente o tamanho de uma vaga de estacionamento e são equipadas com bancos, jardineiras, mesas, guarda-sóis, entre outros mobiliários, a fim de promover a convivência numa área antes sem usuários.

Ciclovias

Vias ou faixas exclusivas ou semiexclusivas para tráfego de ciclistas, seja para uso diário ou de lazer, a fim de promover o caráter sustentável também na mobilidade urbana.

  1. OUTROS ELEMENTOS SUSTENTÁVEIS

Asfalto borracha: A pavimentação feita com pneus reciclados.

Madeira plástica: Um material mesclado desenvolvido para ser um potencial substituto da madeira virgem convencional. Na sua produção são utilizados plásticos de resíduos domésticos e industriais, e fibras vegetais como de coco, sisal, juta e resíduos como a serragem. Pode ser usada para diversos fins: pavimentos, mobiliário, paisagismo etc.

Pavimentos eficientes para geração de energia: Tecnologias emergentes de pavimentos capazes de gerar energia em escala micro, por meio do aproveitamento de energia solar (painéis fotovoltaicos específicos para uso em pavimentação e que suportam veículos leves e pesados); e da energia em vibração resultante do movimento de ciclistas e pedestres. Esses pavimentos podem ser utilizados para prover a iluminação do espaço público, por exemplo, e instalados em ciclovias, calçadas, praças etc.

Mobiliário: uso de materiais reutilizados como pneus, paletes e containers.

Iluminação: lâmpadas led e postes fotovoltaicos. 

  1. CERTIFICAÇÕES

Assim como voltadas para as edificações, conforme abordado na matéria passada, as etiquetagens e certificações estão disponíveis no mercado mundial a fim de garantir a  sustentabilidade dos espaços  públicos segundo critérios estabelecidos por elas. Algumas delas são:

LEED Neighborhood Development

O LEED para o Desenvolvimento do Bairro (LEED ND) foi projetado para inspirar e ajudar a criar bairros melhores, mais sustentáveis e bem conectados. Seu foco vai além da escala dos edifícios e considera comunidades inteiras.

LEED for CITIES and COMMUNITIES

O LEED para cidades e o LEED para comunidades fornecem às cidades e às comunidades uma maneira global consistente de medir e comunicar o desempenho.

SITES

É um sistema abrangente de classificação projetado para distinguir paisagens sustentáveis, medir seu desempenho e elevar seu valor. A certificação SITES é para projetos de desenvolvimento localizados em locais com ou sem prédios – desde parques nacionais a campus corporativos, de paisagens urbanas.

Fique ligado na próximas matéria: Canteiro de Obra.

 

Até a próxima!

 

Cita:

Vamos construir verde?: guia prático para edificações, espaços públicos e canteiros sustentáveis no Brasil / Esperanza González-Mahecha, Livia Minoja, Lucas Rosse Caldas, Clementine Tribouillard.


Compartilhar:
PENSOU EM OBRA © 2021 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS